sábado, 10 de abril de 2010

De lata.


Não vou mais escrever.
Está caindo muito de mim nesses papéis.
Eu quase denuncio minhas próprias emoções.
Faço-me vítima das minhas próprias palavras.
Tenho que parar.

Eu estou desfalecendo aos poucos,
a cada respingo meu nessas folhas, parece que perco um tanto de dignidade.
Eu me revelo demais para o mundo.
O mundo não pode me conhecer assim tão exposta.
Eu não quero isso.

Eles não devem saber,
eu não vou contar:
eu choro,grito, sinto medo, faço manha e até peço colo.
Eu devia ser menos emotiva,
distraída, passional e ingênua.

Um dia, eu talvez consiga
ser mais de lata e menos de carne, como a maioria das pessoas já se adaptou a ser.
Um dia, eu talvez consiga 
ser mais adulta e menos criança, como a maioria das pessoas já se adaptou a ser.
Um dia, eu talvez pare de ser tão romantica, sonhar tanto e acreditar tão piamente em tudo o que contam.

Mas enquanto não tomo jeito...
Deixa eu me disfarçar para esse mundo
que não sabe tratar bem gente boba como eu.
Enquanto eu não tomo jeito, eu vou me vestir de lata.
Porque eu já entendi tudo.
(sou criança esperta.)
O mundo quer mesmo são máquinas.

12 comentários:

  1. você falou por mim Yasmin, extamente o que eu tenho sentido nesses ultimos dias, lindo demais *-*

    ResponderExcluir
  2. Não acho q ser de lata seja tão bom assim... cada um tem sua propria essencia, coisas que não devem mudar e ser diferente não é ruim... querer ser aquilo que não é só traz frustração, enfim... ótimo texto, gostei muito do blog...
    Tô seguindo...
    Bjs

    ResponderExcluir
  3. Mas se um dia eu me tornasse uma maquina, meu coração não mais me pertenceria.

    Lindo texto!

    Desculpe a ausência

    :)

    ResponderExcluir
  4. Ora se não foi a menina do nariz encantado quem mandou muito bem em seu comentário no meu blog. A menina que me apresentou o pedófilo Ramirez e sua Matriz (estou rindo, pois estou brincando). Até coloquei no meu mp3 para ouvir enquanto corro.
    Agora está aqui a se esconder em uma armadura e se dizer imatura, mas esperta. Que nada. Esperta e madura, mas com armadura. E que não deixe de se derramar aqui; guardaremos segredos do que for inconfessável. Acredite. (sorrio).
    Obrigado por seu comentário. Por sua atenção e por sua linda visita ao meu humilde blog. Abraço e bom final de semana!

    ResponderExcluir
  5. Yasmin, acho que vale a pena ser passional; a escrita pode servir de desabafo. Principalmente para quem tem o dom, como você.
    Portanto, seja você mesma.
    E "castigue" o papel com teu talento. Sim?
    Assim, você pode satisfazer teus leitores.

    Beijos.

    ResponderExcluir
  6. Olá gostaria de convidá-lo a conhecer meu trabalho através do blog Ecos do Teleco Teço (WWW.ECOSDOTELECOTECO.BLOGSPOT.COM) . Grande abraço e sucesso com sua proposta !! Axé

    ResponderExcluir
  7. Yaasmiin,
    Deixa eu te contar uma coisa, e não precisas acreditar-me piamente: tens estilo, sabes o signo das palavras; tão jovem e tão provocadora já. Voltarei pra te leer mais.
    Ah! Quando puderes, passa lá no CANTO GERAL DO BRASIL (e outros cantos) para conhecer meu quintalzinho de homenagens, para prosear um pouquinho com meus amigos, para passear por Minas...

    Abraço poético,
    Pedro Ramúcio.

    ResponderExcluir
  8. HAHA! que coisa mais bonitinha!
    "Porque eu já entendi tudo.
    (sou criança esperta.)
    O mundo quer mesmo são máquinas".

    Parabéns! :D

    Beijos

    ResponderExcluir
  9. Nossa sua postagem foi perfeita.Parabéns ficou muito boa,lindo blog.

    ResponderExcluir
  10. Ainda que me entreguem faço das palavras armadura, elas falam do que sou mas não são eu. Eu sou tudo junto, inclusive as palavras. Por falar em palavras, as suas são lindas.
    Beijos.

    ResponderExcluir